Pesquisar este blog

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Divisão do butim

Partidos do "centrão" deixam coronel nordestino de lado e fecham com Alckmin.
Alckmin parece ter vencido o leilão dos apoios.
A conta, como sempre, fica com a gente.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Sucupira, século XXI

Em outubro, com a ameaça de eleição do coronel, o eleitor brasileiro pode optar por transformar o país todo numa grande Sucupira. Com o apoio de toda a orla do Leblon e de Ipanema...

Melô do Centrão, para o coronel nordestino

Seu coronel seja meu amigo, me bata, me prenda, faça tudo comigo. Só não me deixeeeeee ... ficaaaar sem roubaaaar....

Se Bolsonaro fosse corrupto

Bolsonaro é o líder nas pesquisas.

Se fosse corrupto, os partidos que compõem o Centrão estariam fazendo fila para vender o seu apoio, e Bolsonaro teria um tempo imenso de TV. Eleito, o Brasil continuaria a mesma me ... r ... da que sempre foi.

Mas Bolsonaro é diferente.

Como para os políticos do Centrão o poder não vale nada se não for possível roubar, todos fogem de Bolsonaro como se ele tivesse a peste. E se jogam nos braços do coronel nordestino.

Do Jair Bolsonaro

- O nosso partido é o povo brasileiro e não os líderes partidários que representam o atual sistema no Brasil. ‬

- Não tenho obsessão pelo Poder. Queremos fazer diferente.

- Se for para fazer igual a todos estamos fora sem problema algum. A escolha é dos eleitores.

Simbiose entre Centrão e comunismo

Durante anos o PT (fora do poder) bateu na tecla da ética e do combate à corrupção. Olavo de Carvalho identifica em seu livro O Jardim das Aflições o exato momento em que a esquerda definiu o discurso da ética como o caminho para chegar ao poder.

Deu certo. A propaganda permanente de ética e combate à corrupção enganou milhões de ingênuos, que votaram em Lula em 2002 (a democracia é uma arma de destruição em massa nas mãos de gente sem o menor preparo para utilizá-la). Mas não só os ingênuos caíram no conto do vigário da propaganda petistas. As raposas políticas dos partidos do "Centrão" também acreditaram.

Ele essas raposas morriam de medo do PT. Não tinham medo do comunismo. Seu desespero era ver chegar ao poder alguém que acabasse com a roubalheira de dinheiro público.

Mas uma vez conquistado o poder, as coisas se esclareceram. O PT não vinha para combater a corrupção, vinha para turbinar os esquemas. E os partidos do "Centrão" caíram de encanto pelo petismo. O falecido deputado Janene chegou a dizer que se soubesse que era tão bom fazer negócios com o PT, teria aderido muito antes.

E formou-se a simbiose: o "Centrão" roubava, e em troca dava ao petismo os votos que ele precisava para conduzir o país rumo à ditadura bolivariana. O imprevisto, o que acabou temporariamente com o romance entre roubalheira e bolivarianismo, foi a profunda crise econômica na qual o petismo jogou o Brasil.

Agora, em 2018, há um candidato de passado limpo, que promete atacar a corrupção. Se chama Jair Bolsonaro. E mais uma vez o "Centrão" está apavorado, com medo de ter que parar de roubar. No desespero, correm para se jogar nos braços do Coronel Nordestino. Nas suas reuniões secretas, dizem: coronel, pode implantar o comunismo, só não nos impeça de continuar roubando. Agindo assim, terá o nosso apoio.

Motivos para votar Bolsonaro

É odiado pela Globo.

É odiado pela Folha de São Paulo.

É odiado pela Veja.

É odiado pelo Reinaldo Não Há Provas Azevedo.

Prefere concorrer sozinho, sem apoio e sem tempo de TV, a aceitar negociatas e chantagens dos partidos do "Centrão".

A alternativa é o coronel nordestino.